A Escrava Isaura

http://3.bp.blogspot.com/_v1vbYSG8Dq8/TR1QJm79pYI/AAAAAAAADj4/IDFY9iQQpak/s1600/a%2Bescrava%2Bisaura.jpg

Sinopse


Isaura nasceu em 1835, na fazenda do comendador Almeida, em Campos dos Goitacazes, Rio de Janeiro. Ela é filha da bela Juliana, escrava do comendador, e do feitor da fazenda, Miguel. Juliana morre pouco depois do parto e Isaura é criada e educada por Gertrudes, mulher do comendador, que sempre quis ter uma filha. Apesar da excelente educação e de ter a pele clara, Isaura é escrava do comendador, por ter nascido filha de sua escrava.

Em 1854, Isaura tem 19 anos e é uma bela casta donzela. Tudo se complica na vida dela, quando volta para a fazenda o jovem senhor Leôncio, filho do comendador, que desenvolve uma paixão louca pela linda escrava. Leôncio é obrigado a se casar por interesse com Malvina, filha do rico Coronel Sebastião Cunha, mas mesmo assim tenta seduzir Isaura, querendo que ela seja sua amante. Mas todas as tentativas e propostas de Leôncio são sempre rechaçadas pela virtuosa Isaura.

Gertrudes tem muita vontade de dar a liberdade à sua querida Isaura, mas morre antes de conseguir realizar este objetivo. Pouco depois da morte de Gertrudes, o comendador Almeida também morre. Leôncio queima o testamento onde ele deixava a alforria para Isaura e torna-se assim o dono da escrava. A vida de Isaura se transforma num inferno. Leôncio se torna cada vez mais insistente, e sua paixão secreta pela escrava é descoberta, primeiro por Henrique, cunhado de Leôncio, que também é apaixonado por Isaura, e logo depois por Malvina, que não demora muito a perceber a obsessão de seu marido pela bela escrava.

Em meio a tanto sofrimento, Isaura descobre o amor. Foge com o pai e se refugia numa chácara perto de São Paulo, onde adota o nome de Elvira, e vive longe de tudo e todos. Ela conhece o jovem abolicionista Álvaro, mas tenta de toda forma evitá-lo, porque sabe que é uma escrava fugitiva. Para piorar, Isaura é descoberta e mandada de volta à fazenda de Leôncio, que não vai deixar de praticar suas maldades contra a escrava.

Elenco

Ator Personagem
Bianca Rinaldi Isaura dos Anjos (Elvira)
Théo Becker Álvaro Mendonça
Leopoldo Pacheco Leôncio Almeida
Patrícia França Rosa Cunha Almeida
Renata Dominguez Branca Villela
Rubens de Falco Comendador Almeida
Norma Blum Gertrudes
Paulo Figueiredo Coronel Sebastião Cunha
Maria Ribeiro Malvina Cunha Almeida
Mayara Magri Tomásia Albuquerque
Jackson Antunes Miguel dos Anjos
Ewerton de Castro Belchior
Chica Lopes Joaquina
Ivan de Almeida João
Fernanda Nobre Helena Cunha
André Fusko Gabriel Albuquerque
Gabriel Gracindo Henrique Cunha
Déo Garcez André
Miriam Mehler Gioconda Albuquerque
Jonas Mello Seu Chico (Francisco)
Sylvia Bandeira Perpétua Mendonça
Maria Cláudia Serafina
Cláudio Curi Martinho
Lugui Palhares dr. Diogo
Caio Junqueira Geraldo Villela
Fábio Junqueira dr. Paulo Pereira
Lígia Fagundes Flor-de-Lís
Daniel Alvim Rosauro
Daniela Duarte Violeta
Thaís Lima Margarida
Rômulo Delduque Raimundo
Aldine Müller Estela Villela
Matheus Palota Pedrinho
Bárbara Garcia Nipalesa (Moleca)
Rodrigo Zanardi sargento Aloísio Guimarães
Christovam Neto Bernardo
Ailene Gouveia Gisela
Crianças
Ator Personagem
Rayana Vidal Isaura dos Anjos (criança)
Lucas Pappi Leôncio Almeida (criança)
Participação especial
Ator Personagem
Odilon Wagner comandante Santana

Personagens


Leôncio Isaura Álvaro

Miguel Gertrudes Comendador Almeida

Tomásia André Rosa

Henrique Malvina Coronel Sebastião

Diogo Helena Gabriel

Geraldo Branca Dr. Paulo

Belchior Martinho Francisco

Perpétua Estela Gioconda

Moleca Bernardo João

Serafina Sargento Aloísio Joaquina

Fonte: Reprodução / Rede Record

Bastidores

Exatos 28 anos depois de estrear na Globo, a história da escrava Isaura era retomada numa nova versão, dessa vez produzida pela Record. Em vez de terceirizar a produção (esquema testado na novela anterior, Metamorphoses), o canal voltou a montar um núcleo interno de teledramaturgia. Da malsucedida experiência de Metamorphoses, ficaram só as filmagens em alta definição. A técnica, que dá à imagem qualidade de cinema, é a marca que a Record pretendia imprimir ao renascimento de sua dramaturgia.

Mas o diretor ainda era o mesmo da versão de 1976: Herval Rossano. Além de A Escrava Isaura, Rossano sugeriu à Record três títulos, entre eles, outro de época. A emissora decidiu pela história baseada no romance de Bernardo Guimarães.
"Esta é baseada exclusivamente no livro. A outra era pouco livro e muito Gilberto Braga (autor do texto)", explicou.

A julgar pela avaliação que Rossano fez do trabalho anterior, a refilmagem - aventada no passado pela própria Globo - não era só urgente, mas necessária.
"Não me lembro de Escrava Isaura. É a novela de que menos gosto, prefiro Maria Maria", afirmou Rossano. "Ela não tem qualidade. Usamos um equipamento inferior. Nos Estados Unidos, eles até perguntaram se a noite brasileira era azul. Puro erro de fotometria. (...) Temos outros recursos técnicos além de estarmos livres da censura, que em 1976 podou muitas cenas", contou Rossano.

"Teremos novos personagens e alguns desfechos diferentes", garantiu Tiago Santiago, que assinou o folhetim ao lado de Anamaria Nunes. Tomásia (Mayara Magri), que derrubou o vilão Leôncio (Leopoldo Pacheco), era uma das novidades.

Rúbens de Falco - conhecido no mundo todo como o vilão Leôncio da primeira versão de Escrava Isaura - voltou nesst remake. O ator interpretou o Comendador Almeida, pai de Leôncio. Ele e Norma Blum foram os únicos atores nas duas versões da novela.

Assim como na primeira versão, a novela teve gravuras de Debret na abertura. E o famoso tema de abertura de 1976 - o "lerê-lerê", de Dorival Caymmi e Jorge Amado (Retirante), estava de volta na trilha sonora.

A Record anunciou oficialmente que, em uma semana, A Escrava Isaura já havia se tornado o produto mais bem-sucedido de todos os tempos na emissora em termos de Ibope. Comercialmente, a Record também festejou a novela com os anunciantes nos intervalos comerciais.

Na terça-feira de Carnaval (dia 08/02/2005), A Escrava Isaura ficou apenas 5 pontos atrás da problemática Começar de Novo. Enquanto a novela da Globo deu 24 pontos - número baixo para a emissora, no horário -, a da Record atingiu picos de 19, com média de 16. Esse índice poderia até ser considerado um fenômeno isolado por conta do feriado, não fosse a audiência que a trama vinha conquistando mês a mês desde que começou, em outubro.

A Escrava Isaura encerrou bem na audiência. A novela alcançou média de 19 pontos e picos de 23. Um feito para a emissora, que criou uma nova opção de trabalho para tantos talentos, apostando no difícil - e caro - filão da teledramaturgia, sempre liderado pela Rede Globo.

O sucesso fez de A Escrava Isaura uma novela vitoriosa. Ela foi esticada de 100 capítulos do original para 140, que em seguida ganhou mais 27.

Créditos

Record - 19h e 19h30
de 18 de outubro de 2004 a 30 de abril de 2005
167 capítulos
novela de Tiago Santiago e Anamaria Nunes
colaboração de Altenir Silva
roteiro final de Tiago Santiago
baseada no romance homônimo de Bernardo Guimarães
direção de Herval Rossano, Emílio di Biasi e Flávio Colatrello
direção geral de Herval Rossano

1 comentários:

  1. Eu amei essa novela, mas por 2 vezes eu nao pude assistir do meio para o fim.... por causa do trabalho. Pena que nao encontramos em BOX.
    Espero que a rede record lance essa novela maravilhosa em DVD!!! Amo o elenco, eles todos são espetaculares!

    ResponderExcluir

Poste aqui seu comentário.